Menu

Secretaria de Saúde de Goiás faz a diferença no XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde

19 dez 2016 | Notícias

Pela primeira vez sediado na região Centro – Oeste, o XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde que aconteceu, entre os dias 27 e 30 de novembro, no Centro de Convenções de Goiânia, trouxe apresentações de trabalhos que, efetivamente, já são usados como ferramentas para municiar gestores e profissionais de Saúde em Goiás com ampla gama de informações que vão desde monitoramento de gestantes até cobertura de saúde bucal. Para a gerente de Tecnologia da Informação da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), Luiselena Luna Esmeraldo, o congresso, realizado pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde, foi terreno propício para mostrar com êxito, todo o trabalho desenvolvido no Estado onde ela menciona os projetos Siga Saúde, Regulatron, Mapa da Saúde e Kit Conecta SUS como instrumentos tecnológicos de ponta acessíveis a médicos, enfermeiros e técnicos de Saúde que trazem mais qualidade na saúde da população de Goiás.

Cada instrumento com a sua específica capacidade mapeia dados e cruza informações para ajudar na tomada de decisões que podem ser desde uma ação específica contra dengue em determinado município mais afetado, ou antecipação de vacinas contra gripe para Goiás.

E o mais importante, todas essas informações ficam concentradas em um único lugar, no Centro de Informações e Decisões Estratégicas em Saúde – Conecta SUS Zilda Arns Neumann, instalado na sede da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), que tem como objetivo a compilação, o tratamento e disponibilização das informações, o monitoramento e análise dos indicadores – na área da saúde em especial e socioeconômicos em geral – dos 246 municípios do Estado de Goiás, envolvendo ainda as áreas administrativa, financeira e de planejamento da SES-GO. O que contribui para a elaboração das propostas de ações estratégicas dos gestores (Estadual e Municipais) com o objetivo de melhorar a vida das pessoas e, como consequência, os indicadores acompanhados.

Comset Setorial: Luiselena como a secretaria está aproveitando o trabalho do Projeto Siga Saúde?
Luiselena: Esse projeto foi implementado, desde janeiro deste ano, em dez municípios goianos. Dele, fazem parte o módulo Siga Mamãe e Siga Bebê. Pelo Siga mamãe, por exemplo, já temos 645 gestantes que são acompanhadas pelo sistema. O gestor municipal usa esse software que georreferencia cada mãe. O sistema é alimentado por técnicos nos municípios que completam dados como qual o agente que acompanha cada mãe, qual a próxima consulta de pré-natal, se a gravidez é de risco, se essa mãe vai precisar de encaminhamento para um hospital específico e até mesmo se precisará de um transporte específico para ser levada para atendimento.

Comset Setorial: Então, todas as mulheres gestantes em Goiás serão literalmente monitoradas?
Luiselena: Inicialmente estamos trabalhando com as gestantes dos 30 municípios prioritários para diminuição da mortalidade materna e infantil, mas sim, pretendemos que todos os municípios goianos usem o sistema SIGA Mamãe bem como o novo módulo Siga Bebê que fará todo o acompanhamento da criança até um anos de vida. Mãe e filho serão acompanhados.

Comset Setorial: Mas o Siga monitorará apenas gestantes e bebês?
Luiselena: Não, a proposta é bem mais ampla e acompanhará todo o trabalho da atenção básica em Saúde, como regulação de consultas e exames, vacinas, notificações compulsórias de doenças e outros.

Comset Setorial: Qual a proposta do Regulatron que vocês desenvolveram para organizar a internação de pacientes via SUS?
Luiselena: Esse software foi desenvolvido para ajudar o complexo regulador estadual a consolidar as demandas de urgência e emergência para internação de pacientes vindos do Interior. Esse sistema faz a leitura das solicitações de leitos feitas pelas 12 centrais SAMU 192 e permite que o Complexo Regulador Estadual acompanhe e intermedie as internações. Também mostra aqueles pacientes que foram excluídos pela regulação de Goiânia e que não retornaram à fila, evitando que fiquem “esquecidos”. Antes do Regulatron, esse controle era totalmente manual e hoje, é todo automatizado. E os dados podem ser usados para oferecer subsídios de pesquisa como de onde vem esse paciente, que tipo de leito ele precisa, qual a demanda por especialidade médica e qual a Unidade Hospitalar para a qual ele foi encaminhado. Esses dados podem fornecer informações preciosas aos gestores no que tange a melhor aplicação dos recursos em Saúde. Todo esse histórico, agora, só é possível com o Regulatron.

Comset Setorial: E sobre o Mapa da Saúde que é um projeto de vocês. Poderia explicar um pouco qual a utilidade dessa ferramenta?
Luiselena: O Mapa da Saúde é desenvolvido pela área de Informação em Saúde do Conecta-SUS e já disponibiliza 182 mapas de indicadores de Saúde de todos os municípios. Esse mapa que é totalmente georreferenciado, permite a integração de diversas áreas gerando informação e divulgação de dados.
Além do Mapa da Saúde, também temos outros indicadores, por exemplo, no caso da dengue, temos os dados de todos os municípios goianos quanto à infestação, quadra a quadra, se tem foco ou não em cada um dos lotes do município. Assim, mandamos cartas de alerta aos prefeitos para que eles se mobilizem e se organizem, localmente, para diminuir índices que podem por em risco a saúde das pessoas. É apenas um de muitos exemplos dessa dinâmica de troca de informações, sempre privilegiando o bem-estar do cidadão na ponta.

Comset Setorial: Como funciona o Kit Conecta SUS?
Luiselena: Com a finalidade de aproximar, humanizar e conectar os técnicos e gestores, o Conecta SUS leva às Superintendências, Regionais de Saúde e a todos os municípios a Estação Conecta SUS, para realização de WebConferências. A Estação Conecta SUS é um equipamento composto por mesa, cadeira, CPU, estabilizador, teclado, mouse, webcam, headset e duas TV´s de 47”, com suporte para montagem do equipamento. Com ela, as reuniões podem ser periódicas, via webconferência, agilizando a tomada de decisões por parte dos gestores, além de possibilitar cursos e capacitações, sem o deslocamento das equipes técnicas.
Catorze municípios goianos já possuem os kits e, o final de 2017, todos os municípios terão os kits que permitirão uma maior comunicação entre a sede e os municípios. É o Estado de Goiás dando apoio tecnológico para o municípios montarem seus próprios indicadores de Saúde.