Menu

Gerência das Regionais de Saúde apoia projeto SIGA como novo modelo de gestão

18 out 2016 | Notícias

Durante encontro em Rio Verde nesta terça-feira (18), entre a equipe do SIGA Saúde, Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde (Spais), Gerência de Saúde da Mulher e gestores das Regionais de Saúde Sudoeste I e II para reforçar a importância do SIGA Mamãe, o representante da Gerência das Regionais de Saúde e Núcleo de Apoio ao Controle de Endemias (GERNACE), Armando Zafalão, falou sobre “boa administração na saúde” e defendeu o projeto SIGA como novo modelo de gestão. Para o gerente da Gernace, informação é o insumo essencial para a tomada de decisões e o SIGA Saúde é a ferramenta para este gerenciamento.

“Enquanto nós, gestores de saúde, estivermos tomando ou trabalhando por demanda e não por planejamento, seremos todos absorvidos pela correria do dia a dia, pela falta de tempo, pela falta de recursos. O que estamos propondo agora, e que a Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO) tem lutado pra fazer, é mudar esse modelo de gestão. É trazer ferramenta e instrumentos de gerenciamento para poder apoiar e dar condições ao gestor municipal e à própria gestão do Estado em trabalhar com planejamento. E é fundamental, no planejamento, a informação correta, precisa e oportuna. E isso o SIGA Saúde está trazendo. O Estado está possibilitando ao gestor ter as informações certas para a tomada de decisão. E essa é a importância deste projeto”, defende Armando Zafalão.

Estiveram presentes também no encontro Ann Otilia, coordenadora geral da Regional de Saúde Sudoeste I; Allan Kardec de Lima, coordenador da assessoria de informação em Saúde da SES-GO, e Cláudia Gouveia (Segplan), que reforçou o que é o Programa Goiás Mais Competitivo e os desafios para a saúde, sobretudo na Atenção à Saúde da Mulher. Evanilde Gomide, superintendente da Spais, e Diana Guimarães, coordenadora do projeto SIGA Saúde Goiás, explicaram a importância de implementar o módulo SIGA Mamãe para acompanhamento das gestantes e reduzir da taxa de mortalidade infantil do Estado.